segunda-feira, 31 de maio de 2010

O TRABALHO COMO IDENTIDADE


Que sentido o trabalho tem na vida dos indivíduos modernos? O significado do trabalho já foi estudado por diversos pesquisadores em inúmeros países e os resultados mostraram que o sentido da atividade de trabalho pode assumir uma condição de centralidade na identidade pessoal e social (MORIN, 2007). Ou seja, quando o indivíduo se define enquanto pessoa, quase sempre após dizer seu nome, menciona o que faz profissionalmente. Nesse sentido, o trabalho é metaforicamente o seu sobrenome, algo que posiciona o indivíduo em algum lugar na sociedade, algo que o identifica.

A relação que cada indivíduo tem com trabalho tem caráter único, singular e subjetivo, mas também é social, porque apresenta aspectos compartilhados por um conjunto de indivíduos e reflete as condições históricas da sociedade, na qual está inserido. Por isso o sentido do trabalho está em permanente processo de construção (BORGES, 2001).

Segundo Frankl (1963) apud Morin (2001), as pessoas precisam encontrar sentidos em suas atividades, caso contrário,mergulham numa “frustração existencial”. O trabalho na perspectiva psicológica é uma afirmação da auto-estima e de uma função perante a sociedade. O processo produtivo é assimilado em aspectos fisiológicos, morais, sociais e econômicos. O trabalho ocupa um importante espaço na vida humana. Constitui o significado na vida de todos. Por esta razão, quando feita a pergunta “Se você tivesse bastante dinheiro para viver o resto da sua vida confortavelmente sem trabalhar, o que você faria com relação ao seu trabalho?, mais de 80% das pessoas pesquisadas responderam que trabalhariam mesmo assim (Morin et al , 2001). As principais razões são: a socialização, o sentimento de vinculação (pertencer a algo), para ter algo que fazer, para evitar o tédio e para se ter um objetivo na vida.

Nesse sentido, pode-se observar o “peso” de ficar sem trabalho. Estar desempregado ou inativo altera a estrutura emocional do indivíduo, afetando sua identidade. Esta perda, que pode ser temporária ou eterna, propicia a baixa auto-estima, sintomas depressivos, um nível elevado de stress, etc. Pelo fato de o trabalho ser o principal organizador da vida humana, onde horários, atividades, relacionamentos são determinados conforme suas exigências quando as pessoas perdem, não tem ou até mesmo se aposentam perdem também seu ponto de referência. No caso da aposentadoria, já há pesquisas comprovando que essa transição de etapa na vida pode ocasionar grandes crises culminando em doenças emocionais (Romanini et al, 2008) e indo de encontro a vícios como o alcoolismo. Desse modo, se trabalhar em excesso causa doenças, não trabalhar nos deixa com o pesado sobrenome “Inativo” nos remetendo as doenças da alma.


REFERÊNCIAS
BORGES, Livia de Oliveira, ALVES FILHO, Antônio. A mensuração da motivação e do significado do trabalho. Estud. psicol. (Natal) [online]. 2001, vol.6, n.2, pp. 177-194.

MORIN, et al . Os sentidos do trabalho. RAE - Revista de Administração de Empresas • Jul./Set. 2001
____________ O Trabalho e seus sentidos. Psicologia & Sociedade; 19, Edição Especial 1: 47-56, 2007


ROMANI, et al. Aposentadoria: período de transformações e preparação. Revista Gestão Industrial, 2008.

Fonte da imagem: http://blog.grupofoco.com.br/focotalentos/wordpress/wp-content/uploads/2010/03/Love-my-job-sm1.gif

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário